Bato nas portas do tempo,

à procura de respostas,

de recordações que façam de caminhos

neste meu mapa molhado pelas lágrimas.

Perdida nas rúas da cidade de cores

que sem eu reparar tornei cinzenta,

coma a chuva na néboa das janelas.

Anuncios